sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Satanismo na PUC - SP

Por João S. de O. Jr.

É um assunto que já está encerrado(1) mas cabe a nós observarmos o seguinte vídeo.

Dá náuseas e causa indignação a qualquer cidadão, ainda que não católico, mas que saiba usar a razão, basta ver os comentários das pessoas no site Youtube. Nem todos terão estômago para ver esta horrível encenação de deboche e ódio contra a Igreja e a pessoa do Santo Padre. Mas lembremos que o mal deve ser conhecido, é preciso ver além da carapuça dos inimigos da Igreja:


Algumas considerações quanto a manifestação:

- Reflete o que virou o Ensino Médio e Superior em vários cursos no país, principalmente nas áreas de humanas, com um péssimo nível de ensino moral e uma doutrinação marxista cultural de deboche e calúnia contra a Igreja Católica.

- Pasmem! Não parecem, mas são alunos de uma Universidade... Católica?! A mesma instituição que criou as Universidades que conhecemos hoje. Estes mesmos alunos não poderiam escolher outro lugar para ficarem atoa? Não é obrigatório a matrícula em uma Instituição como a PUC-SP e se matricularam, não deveriam consentir com o regulamento que diz que o Chanceler, o Arcebispo de São Paulo, pode nomear qualquer um da lista tríplice de candidatos a reitoria como sempre aconteceu?

- Percebe-se nas injúrias uma forte tendência quanto ao homossexualismo, feminismo, abortismo, promiscuidade... Carros chefes, já bem conhecidos, da Revolução Cultural Marxista. (2)

- Embora o infantilismo, mostrado na cara dos “estudantes”, é fácil perceber que quem está segurando o cabresto daqueles é a velha vanguarda de professores esquerdistas que passam o tempo de trabalho alienando as imaturas mentes dos discentes incautos.

- Perguntas que não querem calar: Algum veículo de comunicação midiático fará uma matéria quanto a isso? Falarão do fundamentalismo anticlerical? Das cenas e a intolerância religiosa? Repetirão que são atos anti-católicos assim como contaram tanto sobre anti-islã num mero filme sobre o profeta Maomé?


Carteiras amontoadas no fim da manifestação demoníaca
Com uma desculpa de luta pela democracia, fazem o motim do autoritarismo. Com uma suposta exigência de tolerância, mostram todo o ódio e intolerância para com a pessoa do Santo Padre. Com um contestar da doutrina moral da Igreja, mostram toda ignorância doutrinal que sabem sobre a Igreja. Com uma suposta arte cênica, promovem a apologia ao crime, rebelião de ódio e violência ao sagrado e a fé católica.

Não é exagero dizer que tal ato é satânico, a inversão de tudo que seria correto numa (pasmem) Pontifícia Universidade Católica. Infelizmente, é o fruto do afrouxamento doutrinal, regado com marxismo barato da Teologia da Libertação no ensino das Universidades Católicas que deixam de ser confessionais na prática e se tornam secularistas. E ainda, com uma dose de anticlericalismo esquerdista.

Acordem católicos! Os lobos estão ai.

Mãe do Bom Conselho, rogai por nós!

(1) http://fratresinunum.com/2012/11/14/dom-odilo-toma-a-dianteira-na-puc-sp-e-a-turba-brada-por-democracia/ 
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,projeto-de-d-odilo--para-a-universidade-determinou-escolha--,960560,0.htm  

(2) http://padrepauloricardo.org/cursos/revolucao-e-marxismo-cultural      
(Revolução Cultural, partes I, II e III) http://www.youtube.com/watch?v=ACh1xUd7lng 

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

O corpo bem adestrado


Padres jogando bola e uma grande defesa - Portugal
Não duvido que tenhas mais de um vez ouvido a frase que nos vem da antiguidade: “Mens Sana in corpore sano”. Quisera fazer-te notar a este respeito que, não somente o corpo são e bem adestrado é precioso auxiliar que nos ajuda a bem cumprir nossa missão neste mundo, mas também que a alma jovem dispõe-se com maior facilidade a se transformar num caráter e a permanecer firme num corpo bem aguerrido, bem exercitado, bem destro, do que num montão de carne gorda, mole e preguiçosa. Faz exercício de ginástica e de trabalho físico todos os dias, mormente nos anos de adolescência, a partir dos 13 ou 14 anos; é ainda um bom meio para conseguir assegurar a pureza de alma. O jovem que cuida todos os dias de fadigar não somente o espírito, mas também o corpo, estará muito menos exposto às tentações do que o moço ocioso e indolente. O corpo amimado, afagado e farto de gulodices embriaga-se com a sua importância: nada mais natural. Quer ser o senhor, quer reinar, torna-se exigente e, golpe sobre golpe, envia o assalto e artilharia das tentações sensuais contra a pobre alma.


O corpo é inimigo em nossa própria casa: sempre pronto ao mal, cheio de displicência pelo bem. Contudo, se tomares cuidado de bem exercitar, de disciplinar, de domar em todos os sentidos esse lobo esfaimado _ numa palavra, se o obrigares a fazer um bom exercício de ginástica todos os dias, _ verás que ele desiste de suas pretensões impudentes.


Ensina-nos a história que as nações sadias e fortes sempre ligaram importância especial ao adestramento físico dos seus cidadãos. Onde quer que a têmpera viril deu lugar à moleza efeminada, arrastou sempre após si a decadência, _ a decadência da saúde como a da cultura.


Mas que é precisamente o adestramento viril?


É essa capacidade do corpo que permite suportar, sem dano para a saúde, impressões, estímulos e golpes muito fortes, e sobretudo postos. Essa qualidade evidencia-se sobretudo em face das mudanças de tempo e de temperatura. O homem de saúde perfeita pode sair dum quarto quente para o ar frio sem se resfriar. Suporta sem dano o vento, o nevoeiro, a umidade, assim como o sol de verão. Seus vasos sanguíneos contraem-se e se dilatam conforme a necessidade, levam mais ou menos sangue às diversas partes do corpo e, desse modo, permitem que se conserve sempre o calor natural do organismo. O calor natural do corpo jovem e bem adestrado preserva melhor do resfriado, do que um agasalho.


Um homem bem exercitado sabe também curtir melhor a fome, a sede e a fadiga. O jovem exercitado sabe sorrir apesar duma dor de dentes desagradável, não se deixa abater pela fadiga ou por uma leve indisposição. Não conhece o medo, não é guloso, não faz de preguiçoso na cama de manhã, sabe sempre conservar o corpo sob o domínio da alma. (...)
Grifos do blog.

Livro: O môço educado
Autor: Dom Tihamer Toth
Parte I – O jovem bem educado
O corpo adestrado
Páginas: 67-68
Editora Vozes LTDA.- Petrópolis RJ
IV Edição - 1960
IMPRIMATUR por Comissão Especial do Exmo. e Revmo. Sr. Dom Manoel Pedro da Cunha Cintra, Bispo de Petrópolis. Frei Desidério Kalverkamp, O.F.M. Petrópolis, 21- XII-1959

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Pe. Henrique Munaiz - 50 Anos de sacerdócio!

Entrevista especial da Sociedade da Santíssima Virgem Maria – SSVM com o Pe. Henrique Munaiz, SJ, [foto 1]. Capelão do mosteiro do Carmelo em Montes Claros – MG, completando um cinqüentenário de sua ordenação em 07/12/2012.

[Em breve a ser disponibilizada para visualizarem-na no original do formato boletim Pugna.]


SSVM: Pe. Henrique, 50 anos como sacerdote, que graça! O senhor poderia falar pra nós da satisfação destes 50 anos de sacerdócio de Cristo, de servir a Igreja?

Pe. Henrique: Sim, de um lado a satisfação... do outro lado também o susto (risos), de ter passado este 50 anos e também de não ter feito tudo aquilo que se pode fazer, então esta vertente também acontece, a gente vê que a misericórdia de Deus foram e são muitas e grande mas a correspondência nem tanto. Mas claro, a misericórdia de Deus cobre tudo isso e traz alegria sim. De ter sido chamado a trabalhar no reino, e trabalhar no reino é uma coisa que comove profundamente, porque o Reino é Deus dando-se aos homens. Ajudar os homens a achegarem-se a Deus, e da outra parte aumenta o conhecimento da gente. A Igreja, boa Mãe, nos forma dentro, conforma a correspondência de cada um, mas a Igreja nos forma bem para poder estar atentos a necessidade dos outros e poder os levar a grandeza do Reino, à Vida que aparece neste Reino e com isso a esperança da Vida Eterna, é claro. Então o sacerdócio está em função da Vida Eterna. Este sacerdócio em função de Melquisedeque, um sacerdócio eterno. E este sacerdócio que teve seu ponto sacerdotal na Cruz de Cristo, precisa estar sempre atuado, proclamado e realizado na Santa Missa. Então, o sacerdote tem na Santa Missa o ponto central de sua Vida, isto é o que me comove e me traz alegrias de ter celebrado tantas Missas, um numero bom, e esperar que até o último dia eu possa celebrar ainda este Mistério da Misericórdia do bom Deus, com Cristo na Cruz.

SSVM: Amém, que o Senhor lhe dê muitos mais anos de Vida! Como falou da celebração do santo sacrifício de Cristo, o papa Bento XVI, pelo Motu Proprio Summorum Pontificum, autorizou a celebração do Rito antigo da Missa . Eu posso dizer, é uma tamanha benção depois de muito tempo o senhor estar celebrando pra nossa cidade! Qual a satisfação de celebrar o rito Tridentino [fotos 2 e 3] depois de tanto tempo?

Pe. Henrique: A satisfação vem de vários lados, a primeira satisfação é de poder entrar na dinâmica em que o Papa (Benção querido Papa!) coloca a Igreja, de poder celebrar neste rito, Tridentino. E ter sido chamado para isto, pelo bispo que disse que deveria ser celebrado por um padre que conhecesse bem o latim e que tinha sido ordenado neste rito, eu celebrei neste rito durante 08 anos (62 a 70). E por meu provincial também, pela licença que ele deu, então a satisfação de estar na dinâmica da Igreja, em primeiro lugar isto. Depois, este rito antigo comove, traz em si este aspecto do Mistério, assim como no rito atual, se sente talvez mais perto do povo, neste rito Antigo, o Mistério parece que fica mais dentro de tuas mãos. Então, há alguma coisa aí que comove profundamente e poder voltar àquelas primícias em que a gente foi ordenado. Sim, tudo isto faz parte. Mas, como também celebro sempre no outro Rito, não me sinto duplicado, senão que, é o mesmo mistério. Deus, todo poderoso e sua Igreja é sábia, o Papa foi muito sábio também porque havia este desejo, um desejo justo, nobre... Me sinto muito bem!

 
 
SSVM: Que maravilha! Padre, muitos jovens, não só da SSVM, mas tantos outros de Montes Claros te admiram muito, frequentam suas celebrações, te conhecem ha tanto tempo como capelão do Carmelo. Que Mensagem o senhor quer deixar para eles? Ou, o que é necessário para manter por muito tempo este fervor e amor a Cristo e sua Igreja?

Pe. Henrique: Bom, o mistério Cristão é de aproximação continua com nosso Senhor Jesus Cristo, então, Cristo é aquele ponto que puxa a Igreja para chegar, é o Esposo. Mas, Maria Santíssima (isto eu aprendi desde pequeno, ainda no colégio interno antes de entrar na Companhia, entrei com 16 anos), pois a devoção a Maria Santíssima é um grande e eficaz caminho para chegar ao conhecimento e amor de Cristo, nosso Senhor. Pois, ninguém conhece a Cristo melhor do que Maria Santíssima e, ninguém o amou mais, serviu melhor e foi fiel a Ele até a Cruz, onde, o Cristo nos a entrega também para que sejamos mais fiéis a Ele. De maneira que, a Devoção a Maria Santíssima é a arma poderosa para os jovens nutrir dentro de seu coração. De um lado, o amor a Cristo, do outro, aquelas virtudes que são próprias da juventude: a castidade, a pureza de alma, a humildade também... o jovem humilde será um bom cristão e um bom pai de família, àquele que se torna arrogante é difícil de conservar as virtudes próprias de um varão cristão. Então o jovem, com Maria Santíssima, a humilde serva do Senhor, chega a pontos, a parâmetros altos do Mistério de Cristo, isto que eu entendo.

SSVM: Mais uma pergunta, o senhor está a 46 anos na região do Norte de Minas. És muito querido na cidade não só pela ardente devoção com que celebra a Santa Missa e mesmo pela disposição com que se coloca para celebrar os outros sacramentos... (De longe as pessoas identificam: “Vejam, é o Pe. Henrique!”... Ele está de batina, sempre... ao mesmo tempo de uma simplicidade mas também com uma grandeza). O senhor quer falar pra nós sobre o trabalho social que o senhor faz, reconhecido aqui na cidade há muitos anos, com as crianças carentes?

Pe. Henrique: Isto é pouca coisa, isto não tem tanto pra falar... Mas acontece é que o povo aqui é muito bondoso, e qualquer coisa que o padre faz eles o magnífica (risos)... (SSVM: Você é um santo padre!) É o povo magnificando as coisas do padre. Então, aqui temos algumas coisas, temos um colégio lá em baixo, vários movimentos de acolhimento e tal... mas estas coisas não são tanto assim. Por isso digo, isto é o povo, o povo aqui é uma maravilha! E o povo aqui apóia e ouve o padre de uma maneira toda especial... (risos). Isto que acontece, não há muita coisa a ser dita.
 
SSVM: Padre, agradeço por toda disponibilidade de estar partilhando conosco um pouco de sua vida, de estar dando esta palavra de apoio e de incentivo a todos os jovens que amam a Cristo, amam a Igreja e certamente têm no senhor uma referência. Quero pedir a sua benção.

Pe. Henrique: Deus te abençoe filho, muito obrigado. Pedirei por todos que lutam com você, para encontrar mais o mistério da Igreja e vivê-lo mais intensamente... Este Ano da Fé há de ser um ano de grandezas... Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!


quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Convite: Missa solene no dia da Imaculada Conceição

Aos amigos de Montes Claros-MG, Santa Missa Tridentina, numa ocasião especialíssima, além de ser solenidade da Imaculada Conceição, será também Jubileu de Ouro de Ordenação Sacerdotal (50 anos) do jesuita, querido Pe. Henrique Munaiz, sacerdote muito piedoso que celebrou sua primeira Missa, no rito antigo, em 09/12/1962 e está voltando a celebrar novamente neste rito graças ao Motu Proprio Summorum Pontificum.


Fica o convite para presenciarmos esta tamanha Graça!
Cheguemos mais cedo porque deve começar pontualmente.
Virgem do Bom Conselho, rogai por nós.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Boletins Pugna - O poder do Santo Rosario



“Felizes as pessoas que rezam bem o santo Rosário, porque Maria lhes obterá graças na vida, graças na hora da morte e glória no Céu. Nunca será considerado um bom cristão, quem não reza o Rosário.” (S. Antônio Maria Claret)


A palavra “Rosário” é derivada do latim, Rosarium, que significa “buquê, série de rosas”. Historicamente, essa oração teve origem nos séculos VIII e IX com monges irlandeses que recitavam os 150 Salmos. Habitantes das redondezas apreciavam a prática, mas como não sabiam ler, foi lhes sugerido que rezassem 150 Pai Nossos que mais tarde foram substituídos por Ave-Marias.

Em uma aparição, Nossa Senhora ensinou pessoalmente a são Domingos de Gusmão (foto) a utilização do Santo Rosário em 1214, prometendo-lhe, por sua recitação, a vitória sobre os inimigos da fé católica. Naquela época medieval a Igreja e a sociedade eram perturbadas pelas loucuras da terrível seita dos Albigenses: eles pregavam um dualismo radical, desprezando tudo o que estivesse ligado á matéria. Negavam a Encarnação, o casamento, a Eucaristia, e o próprio Estado. Enfim, eram, de fato, inimigos da ordem social, enxergando o mundo como criação de Satanás. São Domingos pregando incansavelmente a devoção na Europa, reconquistou as almas: os católicos tíbios se afervoravam, muitos se santificavam; as ordens religiosas floresciam; muitos voltavam à Igreja aos milhares; os pecadores se arrependiam e faziam penitência; expulsava os demônios de possessos; operava milagres e curas. Somente na Lombardia, S. Domingos, pelo Rosário, converteu mais de 100 mil hereges.

Em 07 de outubro, celebra-se a festa de Nossa Senhora do Rosário. Aquela foi instituída pelo papa São Pio V devido à grande vitória alcançada sobre os Turcos na histórica batalha naval de Lepanto, em 1571. Onde, os aliados cristãos estavam divididos e em menor número, a vitória Turca era certa. Enquanto os cristãos combatiam com as armas, São Pio V (que estruturou o Rosário da maneira que rezamos até hoje) implorava a intercessão da Mãe de Deus incentivando a oração do Rosário. O resultado: uma inexplicável vitória Católica! O que certamente livrou o ocidente da dominação islâmica que culminaria na destruição de toda a civilização cristã no ocidente.

O que os Papas têm a dizer sobre o Rosário?
  
  (Continue lendo aqui.)

Lembramos que este como outros boletins Pugna podem ser visualizados e baixados no link da página ao lado. Ajude-nos a fazer este apostolado!

Sociedade da Santíssima Virgem Maria
Apostolado por amor a Cristo e sua Igreja 

Maria sempre!

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Católicos São Idólatras! – Parte II


Papa sendo louvado pelo povo


“Judá, teus irmãos te louvarão; a tua mão estará sobre a cerviz de teus inimigos; os filhos de teu pai se inclinarão a ti.” (Gênesis 49,8)


Pelo Prof. Pedro M. da Cruz


Como havíamos prometido, trataremos nessa última parte de nosso artigo sobre a seguinte questão: “A Bíblia não proíbe o louvor devido a grandes seres humanos, como os santos por exemplo.” Veremos como é infundado o ataque dos “crentes” que nos acusam de idolatria por louvarmos Maria Santíssima e outros grandes homens da Igreja Católica.

Cremos que para um bom entendedor bastaria aquele primeiro texto bíblico apresentado acima onde se afirma que Jacó, um simples homem, seria louvado por seus irmãos. Ora, se louvaram a Jacó então existe um louvor devido a grandes homens, caso contrário a Bíblia jamais afirmaria o que está escrito ali.

O mesmo se diz, por exemplo, da “Amada” dos Cânticos de Salomão (Texto, creio,  pouco lido das Sagradas Escrituras) depois de intitulá-la “Imaculada” e “Predileta”, como fazemos nos referindo a Nossa Senhora:

“Mas uma só é a minha pomba, a minha imaculada; de sua mãe, a única, a predileta daquela que a deu à luz; viram-na as donzelas e lhe chamaram ditosa; viram-na as rainhas e as concubinas e a louvaram.” (Cânticos de Salomão 6, 9)

Perguntemo-nos: se o rei podia tratar assim sua “amada”, não poderemos tratar do mesmo modo “aquela que encontrou graça diante de Deus”, a Virgem Maria? Com toda certeza, Nossa senhora é muito mais digna de ser louvada pelos homens por ser a Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo! Ademais, se Filipenses (4,8) ensina que as coisas louváveis e de boa fama devem ocupar nossos pensamentos, então estamos obrigados a jamais nos esquecermos dos grandes santos de nossa Igreja, principalmente da Mãe do Filho de Deus.

"Honra a quem deveis honra."
Está escrito: “Pagai a todos o que lhes é devido: a quem deveis tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem deveis honra, honra.” (Romanos 13,7) Ora, se Cristo honrou sua mãe (segundo o mandamento: “Honra teu pai e tua Mãe”), e nós somos obrigados a ser imitadores de Cristo, então como não honraríamos a Mãe de Deus? Ao cumprirmos esse mandamento até nós seremos dignos de louvor, pois estaremos fazendo o grande bem que é obedecer a Sagrada Escritura.

Mereceríamos inclusive o louvor do Estado, uma vez que esse, subordinado ao poder espiritual e devendo prestar-lhe reconhecimento, deveria cumprir com as palavras de São Paulo: “Faze o bem e terás o louvor”. (Romanos 13,3) Com efeito, de acordo com a carta de São Pedro, as autoridades foram enviadas por Deus “(...) para castigo dos malfeitores e para louvor dos que praticam o bem.” (I Pedro 2,14)

Como podem os anti-católicos continuar a taxar-nos de “idólatras” por louvarmos os santos? Será que nunca viram esses textos bíblicos? Será que nunca leram em Coríntios que o próprio apóstolo das gentes louvou aos cristãos por sua fidelidade à tradição?

Eu vos louvo porque, em tudo, vos lembrais de mim e guardais as tradições assim como vo-las entreguei.” (ICoríntios 11,2)

Vejam que interessante! Além de louvar os cristãos (o que já deixaria os “protestantes” de cabelo em pé!) São Paulo ainda elogia a fidelidade às tradições... O que dirão agora os “evangélicos” que nos criticam por guardarmos tradições? Bom, mas esse já não é o assunto do nosso presente artigo; vamos deixá-lo para outro momento.

Para não nos alongarmos demais em dúvida tão simples, terminemos com uma última citação:

“Levantam-se seus filhos e lhe chamam ditosa; seu marido a louva, dizendo: Muitas mulheres procedem virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas. Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada. Dai-lhe do fruto das suas mãos, e de público a louvarão as suas obras.” (Provérbios 31, 28-31)

Portanto, louvemos Maria Santíssima! Louvemos aos santos! Louvemos nossos irmãos e irmãs quando forem dignos do louvor, porém sem jamais esquecermos que mesmo o louvor pode ser causa de provação. (Provérbios 27,21)

Quanto a ti, caríssimo leitor, “Seja outro o que te louve, e não a tua boca”. (Provérbios 27,2)

Ó Maria, Virgem do Bom Conselho, alcançai-nos a graça da fidelidade para com as coisas de Deus, assim como, da sabedoria necessária para a defesa e propagação da fé. É tanta a ignorância religiosa que encontramos ao nosso redor (e isso, entre tantas outras coisas degradantes) que, muitas vezes, sentimo-nos fraquejar e o desânimo ameaça nos vencer; porém, não podemos debandar! Nunca! Jamais! Sede nosso auxílio, Virgem poderosa! Assim, como diz São Paulo, receberemos o louvor devido da parte de Deus. (I Coríntios 4,5)

Virgem de Guadalupe, rogai por nós!

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Católicos são Idólatras! - Parte I


"Evangélicos" prostrados perante imagens de anjos



“Não te prostrarás diante deles...” (Êxodo 20:5)


Por Felipe da Cruz

Vez ou outra temos escutado por parte dos “crentes” ou “evangélicos”¹ a seguinte acusação descabida: “Os católicos são idólatras, pecadores porque se ajoelham perante as imagens e louvam os santos!” Com efeito, de acordo com os “evangélicos’ o louvor e o ato de prostrar-se só deve ser feito para com Deus.

Porém, essa é uma grande mentira! Afinal, nem todo ato de “louvar” ou “prostrar-se” (ajoelhar-se) equivale a adoração.

Como veremos:

1 – A Bíblia não proíbe prostrar-se em sinal de reverência perante pessoas ou objetos dignos, em algum sentido, desse ato respeitoso.


2 - A Bíblia não proíbe o louvor devido a grandes seres humanos, como os santos por exemplo.

Para abordarmos com mais cuidado cada uma dessas questões, dividiremos esse artigo em duas partes. Agora trataremos do primeiro ponto (A Bíblia não proíbe prostrar-se em sinal de reverência perante pessoas ou objetos dignos, em algum sentido, desse ato) e, num segundo artigo, trataremos, finalmente, do último ponto.

I - PROSTRAR-SE PERANTE SERES HUMANOS

Confiramos esses textos da Bíblia:

Crianças ajoelhadas perante Bispo
“Vendo, pois, Abigail a Davi, apressou-se, e desceu do jumento, e prostrou-se sobre o seu rosto diante de Davi, e se inclinou à terra.” (1Samuel 25:23)

“E o fizeram saber ao rei, dizendo: Eis aí está o profeta Natã. E entrou à presença do rei, e prostrou-se diante dele com o rosto em terra.” (1Reis 1:23)

"E mandou o rei Salomão, e o fizeram descer do altar; e veio, e prostrou-se perante o rei Salomão, e Salomão lhe disse: Vai para tua casa." (1Reis 1:53)

"Estando, pois, Obadias já em caminho, eis que Elias o encontrou; e Obadias, reconhecendo-o, prostrou-se sobre o seu rosto, e disse: És tu o meu senhor Elias?" (1Re 18:7)

"E veio Judá com os seus irmãos à casa de José, porque ele ainda estava ali; e prostraram-se diante dele em terra." (Gen 44:14 )

“E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei.” (Mateus 18:25-26)

(favor conferir também os seguintes textos da Palavra de Deus: 2Crônicas 24:17; Êxodo 18:7; 1Samuel 24:8; 2Samuel 9:6; 2Reis 2:15; 2Samuel 14:4; 2Samuel 14:22; 2Samuel 19:18; 1Reis 1:16; 1Reis 1:31; 2Reis 4:37; 1Crônicas 21:2; Isaias 60:14; Isaias 45:14 )


JOSUÉ SE PROSTRA PERANTE UM OBJETO SANTO:

Ajoelhado perante o corpo de José M. Escrivá
“Então Josué rasgou as suas vestes, e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do SENHOR até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre as suas cabeças. (Josué 7:6)



PROSTRARAM-SE AO SENHOR E AO REI:

“Então disse Davi a toda a congregação: Agora louvai ao SENHOR vosso Deus. Então toda a congregação louvou ao SENHOR Deus de seus pais, e inclinaram-se, e prostraram-se perante o SENHOR, e o rei.” (1Crônicas 29:20)

Perceba, caro leitor, que nesta passagem mostra justamente um ato parecido, porém com sentidos e razões diferentes: eles se prostram a Deus, para adorá-lo, mas também ao Rei, para reverenciá-lo. Deus em momento algum se enfureceu com aquilo.



II  - OBJEÇÕES FEITAS POR ALGUNS “EVANGÉLICOS”



1 – JOÃO SE PROSTROU AO ANJO E FOI REPREENDIDO:

Ajoelhado perante São Padre Pio
“E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar.” (Apo. 22:8)

Perceba aqui, estimado leitor, que João deixa muito claro qual foi o ato dele: adoração. Ele se prostrou justamente para adorá-lo, e foi repreendido pelo próprio anjo.

O mal aqui não estava em se prostrar, mas em se prostrar para adorá-lo. Compare o ato de João com os citados acima, como 1Crônicas 21, 16, em que Davi se prostra para o anjo e não é repreendido pelo mesmo, pois não se prostrava para adoração, mas simplesmente por respeito.


2 - CORNÉLIO REPREENDIDO:

“E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés o adorou. Mas Pedro o levantou, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem.” (At 10:25-26)

Ajoelhados perante o papa
Aqui acontece a mesma coisa: Cornélio se prostra para adorá-lo e não simplesmente para reverenciá-lo, por isso foi repreendido. Compare com esse texto:

E, acordando o carcereiro, e vendo abertas as portas da prisão, tirou a espada, e quis matar-se, cuidando que os presos já tinham fugido. Mas Paulo clamou com grande voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. E, pedindo luz, saltou dentro e, todo trêmulo, se prostrou ante Paulo e Silas. E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. (At 16:27-31)

A diferença entre esse texto e o de cima fica clara: em um houve adoração, já no outro não, mas apenas um ato de respeito. Paulo e Silas não repreendem o carcereiro, pois o que ele fez foi apenas um ato de respeito, uma suplica, um pedido em desespero, longe de ser uma adoração aos mesmos.



Nossa Senhora do Bom Conselho, rogai por nós!



1 – Identificamos (sem entrarmos em maiores detalhes) nossos irmãos separados como “crentes” ou “evangélicos”; todavia, poderíamos taxá-los tão simplesmente, de modo geral, “protestantes” ou “neo-protestantes” para englobá-los todos naquela corrente oriunda também das heresias do final da Idade Média e princípios da Idade Moderna. O fato é que o termo “evangélicos” se deveria aplicar mais acertadamente aos católicos uma vez que seguem, em sua integridade, os ensinamentos das sagradas escrituras. O termo “crente” por sua vez, pode ser aplicado inclusive ao Demônio, que crê, “mas treme”.

Referência: para a primeira parte desse artigo utilizamo-nos de uma já catalogada lista de textos apresentada no site Veritatis Splendor, além de fazermos pequena adaptação de seus comentários para facilitar ainda mais a leitura do conteúdo.





terça-feira, 13 de novembro de 2012

A carreira de professor

São João Bosco
                                                                                  
                    
                                                                                                                            Por Dom Tihamer Toth

Serás professor? Terás, então, ensejo de semear o grão do bem em milhares de almas jovens.

A sociedade inteira deverá agradecer-te o trabalho, pois é com o desgaste de teus nervos que pagarás a atividade incessante consagrada a educar as crianças, e a inocular ciência e instrução nesses pequenos bárbaros que ameaçam destruir a cultura humana. Quase inteiramente do professor depende o fazer da escola uma instituição que, além do ensino, dê a educação que desenvolva não só o espírito dos meninos, como também o caráter.

Todos chegaram hoje à convicção de que a escola deveria ocupar-se muito mais da formação do caráter juvenil. Porquanto, do ponto de vista do futuro da pátria, importa pouco que os jovens saibam se Juno tinha o hábito de esbofetear Zeus, se esposo, com a sandália ou com a própria mão; o que importa antes de tudo são os costumes, a vida, o caráter da jovem geração que deve sair da escola.

O bom professor é o guardião dos belos santuários que existem: os corações infantis. Todo o ouro, todas as pedrarias, toda a pompa do templo de Salomão nada são ao lado duma alma pura. E a tarefa do professor é cuidar desse templo vivo. Os pais, a família, a Igreja confiam-lhe os seus tesouros mais preciosos, a fim de que lhes ensino o entusiasmo para com o belo e para com o bem, e o horror do mal.

Se esses rapazes ignorantes, inconstantes e sem força de vontade vierem a ser algum dia homens instruídos, de caráter firme, não em último lugar caberá mérito ao bom professor que cumpre com zelo o seu dever. O trabalho do mestre é extremamente fatigante e bem mal remunerado: mas, se ele o toma pelo lado ideal, pode sempre haurir forças novas na certeza de que, pela sua dedicação, adquire grandes merecimentos diante de Deus.

Salvo o sacerdote, ninguém pode ter tanta influência sobre a educação moral da juventude como um professor piedoso que ama paternalmente a seus discípulos.

Livro: O môço educado

Autor: Dom Tihamer Toth

Parte III – No limiar duma carreira

A carreira do professor

Páginas: 204-204

Editora Vozes LTDA.- Petrópolis RJ

IV Edição - 1960

IMPRIMATUR por Comissão Especial do Exmo. e Revmo. Sr. Dom Manoel Pedro da Cunha Cintra, Bispo de Petrópolis. Frei Desidério Kalverkamp, O.F.M. Petrópolis, 21- XII-1959